Sojicultores têm até 22 de janeiro para cadastrar áreas de cultivos de soja

O cadastro das áreas cultivadas é obrigatório, e até o momento, apenas 6% dos sojicultores realizaram o cadastro junto a ADAPEC/TOCANTINS.

0
93
Produtor que não cadastrar a área cultivada pode sofrer sanções previstas na legislação. Foto: Divulgação ADAPEC/TOCANTINS.

A Agência de Defesa Agropecuária (ADAPEC/TOCANTINS) alerta os produtores rurais que cultivam soja sequeiro, para ficarem atentos ao prazo de cadastro das áreas produtoras que encerra no próximo dia 22 de janeiro.

O prazo para cadastro teve início no dia 1º de outubro, e até o momento, apenas 6% dos sojicultores realizaram o cadastro junto ao órgão.

De acordo com o Diretor de Defesa, inspeção e Sanidade Vegetal da ADAPEC/TOCANTINS, Alex Sandro Arruda Farias, o cadastro das áreas plantadas é obrigatório e quem deixar de fazer sofrerá sanções previstas em lei. “O cadastro é um instrumento que utilizamos para o controle da Ferrugem Asiática e outras pragas que acomete a soja, por isso, é fundamental que o produtor informe a área plantada para que a Adapec faça o monitoramento de pragas nestas lavouras”, informou Alex Sandro.

Para realizar o cadastro, o sojicultor deve procurar o escritório da ADAPEC/TOCANTINS do município onde está a área plantada e preencher o formulário, ou se preferir, acessar o site http:/adapec.to.gov.br/vegetal/, preencher as informações e entregar na Agência.

O produtor deverá ainda emitir o DARE (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais) no site www.sefaz.to.gov.br, e efetuar o pagamento para finalizar o cadastro.

Janela de plantio

Também encerra no próximo dia, 15, o prazo da janela de plantio da soja sequeiro no Tocantins para a Safra 2019/2020, que teve início no dia 1º de outubro.

“A calendarização do plantio de soja coopera no controle de pragas, promovendo o retardamento da manifestação do fungo e evita o plantio sucessivo da cultura, diminuindo assim, o risco de resistência aos fungicidas disponíveis no mercado”, explica o gerente de sanidade vegetal da Adapec,  Marley Camilo.