Polícia Federal desarticula grupo criminoso especializado em furtos contra Agências dos Correios

0
79

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (05/05) a “Operação SIAFU”, com o objetivo
de desarticular um grupo criminoso especializado em cometer crimes de furtos contra agências dos Correios nos Estados do Tocantins e do Pará.
Cerca de 23 Policiais Federais dão cumprimento a 03 mandados de prisão preventiva, 03
mandados de prisão temporária e 05 mandados de busca e apreensão nos municípios de
Palmas/TO, Juarina/TO, Colinas do Tocantins/TO, Conceição do Araguaia/PA e
Curianópolis/PA, todos expedidos pela 4o Vara Federal de Palmas/TO.
As investigações apontaram que os investigados foram responsáveis por cometer crimes de
furtos contra as agências dos Correios dos município de Guaraí/TO (ocorrido entre os dias 22 e 24/09/2018), Presidente Kennedy/TO (ocorrido em 07/07/2019), Curionópolis/PA (ocorrido em 19/03/2018), Cumaru do Norte/PA (ocorrido em 19/08/2018) e Cametá/PA (ocorrido em 02/12/2018).
Todos os delitos foram cometidos nas mesmas circunstâncias, quais sejam, durante o repouso noturno e qualificado em razão do rompimento ou destruição de obstáculos à subtração de pertences e dinheiro da empresa pública federal, como também, foram cometidos mediante o concurso de duas ou mais pessoas. Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de
furto noturno qualificado e associação criminosa, cujas penas somadas, podem chegar mais
de 10 anos de reclusão. O nome da Operação faz referência a formigas nômades, que é justamente a principal característica do grupo criminoso, visto que seus integrantes optavam por cometer os delitos contra agências dos Correios de diferentes municípios, sem terem qualquer tipo de relação ou vínculos com os mesmos. Desta forma, o grupo pretendia diminuir o risco de serem identificados com o escopo de prejudicar o trabalho de apuração dos delitos. Destaca-se que em razão da atual crise de saúde pública, foi adotada logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPI’s a todos os envolvidos, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas e investigados.