IFTO tem bloqueio de R$ 2,3 milhões e diz que precisará rever orçamento para manter serviços

0
42

Instituto Federal destacou que para continuar ofertando educação de qualidade é preciso a recomposição orçamentária. UFT diz que orçamento atual não é o ideal, mas que o planejamento possibilita um remanejamento de recursos. IFTO já teve um corte de mais de R$ 3 milhões neste ano
Divulgação/IFTO
Com o bloqueio de recursos destinados à Educação, o Instituto Federal do Tocantins teve a restrição de R$ 2.316.140,73, valor que representa 5,77% do orçamento de despesas discricionárias neste ano. A Universidade Federal do Tocantins (UFT) também teve bloqueio nos recursos, mas mesmo sem o risco de parar as atividades, explicou que orçamento atual não é o ideal.
No dia 22 de setembro, o governo federal anunciou que bloquearia R$ 2,6 bilhões no orçamento da União, com o objetivo de, segundo a área econômica, cumprir a regra do teto de gastos.
No caso do Instituto Federal, a instituição informou que por causa do bloqueio, a reitoria e outros setores vão precisar reprogramar o orçamento, para que a institição continue com a manutenção das unidades e oferecendo os serviços. Porém, não citou se algum desses serviços foi afetado de imediato. A decisão foi tomada pelo Colégio de Dirigentes do IFTO na tarde desta quinta-feira (6).
O IFTO também relembrou que no primeiro semestre ocorreu um corte do governo federal no valor de R$ 3.111.518,00 no orçamento, mas que agora se trata de uma situação diferente, por ser uma restrição nos recursos.
No entanto, destacou que para continuar ofertando uma educação profissional e tecnológica de qualidade, é preciso que haja a recomposição orçamentária urgentemente.
UFT
A UFT não citou valores do impacto do bloqueio aos recursos da educação, mas explicou que apesar do orçamento atual não ser o ideal, o planejamento possibilita um remanejamento de recursos durante o período de contingenciamento.
Entretanto, no final de setembro, alunos do campus de Miracema receberam um comunicado informando o corte no transporte entre as unidades Cerrado, que fica às margens da TO-342, e a Warã fica, no setor Universitário. O motivo foi que a instituição não tinha mais recursos para para gastar com combustível.
Os estudantes boicotaram aulas como forma de protesto para que a universidade resolvesse a situação. Na época, a UFT informou que estava estudando a possibilidade de remanejamento de recursos para o setor de transportes, mas não tinha um prazo para retorno do serviço.
LEIA TAMBÉM
Por falta de verba, alunos da UFT de Miracema ficam sem transporte entre as unidades do campus e reclamam da situação
Mesmo alegando que desde 2015 a universidade sofre com cortes por causa de ajustes orçamentários, uma redução de 14,5% foi revertida para 7,25% em junho deste ano.
“A UFT vem conseguindo minimizar os impactos decorrentes da redução orçamentária, através da implantação de ações de eficiência energética e melhoria das rotinas dos contratos continuados”, destacou a universidade em nota nesta quinta-feira.
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins