Ciclone bomba vai atingir o Sudeste e terá efeitos até a Bahia, informa Marinha

0
144

Para além dos Estados do Sul do país, fenômeno extratropical poderá provocar estragos em outras regiões do Brasil; entenda

Até a noite desta quarta-feira (1º), os efeitos do ciclone bomba poderão atingir outros Estados do Brasil, além da região Sul do país, conforme informou a Marinha em comunicado.

Segundo o órgão das Forças Armadas, ventos de até 88 km/h podem chegar à faixa litorânea de São Paulo e Rio de Janeiro, até a noite desta quarta. Esse vendaval poderá promover ondas de três a quatro metros de altura em alto-mar do Rio de Janeiro à Bahia, ao sul de Caravelas, entre quarta e a manhã da sexta-feira (3).

Ainda segundo a Marinha, a aproximação de uma frente fria poderá provocar rajadas de vento de até 74 km/h na faixa ao norte de Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro, até o sul de Guarapari, no Espírito Santo.

Ciclone bomba: Estados do Sul poderão ter segunda onda

Se a situação no Sudeste do país é de alerta, no Sul é de temor. Segundo os órgãos de meteorologia e a Marinha, persiste a previsão de uma possível segunda onda do ciclone bomba, que deixará o mar muito agitado e ressaca com ondas que podem superar os quatro metros de altura em Santa Catarina até a tarde de quinta-feira.

Na terça-feira (30), fortes temporais atingiram Santa Catarina e deixaram estragos em todas as regiões do Estado, além de quatro mortes. Árvores foram derrubadas, e muitas casas, destelhadas. Os ventos chegaram a 120 km/h.

Os ventos também antigiram o Paraná e o Rio Grande do Sul. Em terras pampas, um um homem morreu soterrado após um deslizamento de terra causado pelo temporal em Nova Prata, na Serra.

Segundo a Marinha, esse fenômeno é comum nesta época do ano devido à associação de massa fria à baixa pressão atmosférica.

“São relativamente comuns nesta época do ano e ocorrem aqui, no litoral do país, na região Sul, principalmente entre maio e setembro. São áreas de baixa pressão que, geralmente, se formam associadas a uma frente fria. Também há a possibilidade de neve na Serra Gaúcha na quinta-feira (2)”, disse.

Por: Portal O Tempo