História

História

As rádios comunitárias no Brasil foram regulamentadas no final da década de 90, e foi uma forma de democratizar a comunicação no país, transferindo a entidades associativas o direito de utilizarem de uma frequência modulada (FM) para proporcionar informação, cultura, entretenimento e lazer à sua comunidade, tornando um canal de comunicação local, e abrindo oportunidades de divulgação de suas ideias, manifestações culturais, tradições, e informações, além da musicalidade regional.

Considerando esta proximidade com sua comunidade, as rádios comunitárias demonstram ser o principal veículo de comunicação em sua área de abrangência, sendo ainda mais relevante sua participação em municípios de pequeno porte, aonde a influência da comunidade é maior. Por isso que no Tocantins as rádios comunitárias detêm significativa influência, já que não há grandes centros urbanos, e seus habitantes estão sempre sintonizados nos acontecimentos da sua região, através da emissora local.

Espalhadas por todo o Estado, e atingindo praticamente toda a sua população, atualmente o Tocantins possui aproximadamente 60 emissoras outorgadas e em funcionamento.

Assim, buscando a união e o fortalecimento desse segmento, suas entidades mantenedoras resolveram fundar a FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DAS RÁDIOS COMUNITÁRIAS DO ESTADO DO TOCANTINS – FARCOM/TO, uma entidade que viesse levar aos poderes públicos e a iniciativa privada em geral, a importância da comunicação comunitária no Estado do Tocantins.