Em pesquisa, empresários apontam necessidade de melhorias na oferta de crédito

Apenas quatro dos 27 estados brasileiros vivem sem déficit previdenciário, diz Firjan
12 de abril de 2019
Cancelado evento que traria shows do Wesley Safadão e Ferrugem para Palmas
12 de abril de 2019

Em pesquisa, empresários apontam necessidade de melhorias na oferta de crédito

Um dos aspectos observados é que mais da metade das empresas tocantinenses ouvidas (59%) declararam necessitar de financiamento para expandir os negócios

As dificuldades enfrentadas, principalmente por micro e pequenas empresários, para obtenção de crédito são o assunto da pesquisa Acesso aos Serviços Financeiros divulgada nesta sexta-feira, 12/04, pela Federação das Indústrias do Estado do Tocantins (FIETO). O levantamento está disponível no site www.fieto.com.br (link Estudos e Pesquisas) e foi realizado em 2018.

 

Um dos aspectos observados é que mais da metade das empresas tocantinenses ouvidas (59%) declararam necessitar de financiamento para expandir os negócios. Destas, 84% procuraram as instituições financeiras em 2018 para tentar obter o crédito, mas apenas 53% conseguiram. No entanto, somente 54% das empresas que obtiveram crédito foram contempladas na medida de suas necessidades.

 

Ainda que dois terços das propostas de obtenção de crédito tenham sido endereçadas a bancos públicos, os respondentes da pesquisa classificam o acesso ao financiamento bancário como difícil a muito difícil. São poucas as empresas que não tiveram dificuldade na contratação do crédito, apenas 18% do total. A grande maioria (82%) enfrentaram algum tipo de problema, sendo os principais um bom cadastro, com 42% do total, e garantias com 33%.

 

O documento destaca também que os maiores financiadores da indústria tocantinense são os bancos públicos e privados, seguidos da Agência de Fomento do Tocantins e cooperativas de crédito. Das indústrias tomadoras de créditos, 86% são de micro e pequeno porte com empréstimos que variam entre R$ 10 mil a R$ 1 milhão.

 

Sobre a destinação do crédito, o estudo constatou que 58% foi para capital de giro (despesas correntes e aquisição de matéria-prima) e 30% para investimento (compra de máquinas, equipamentos, ampliação e modernização).

 

Os problemas para a obtenção de crédito aparecem em pesquisas da FIETO desde 2007, quando foi iniciada a publicação Sondagem Industrial, de acordo com a gerente da Unidade de Desenvolvimento Industrial, Amanda Barbosa. “O acesso ao crédito é um gargalo recorrente apontado pelos empresários tocantinenses. Essa demanda nos motivou a implantar um atendimento específico sobre este tema para atuar nesta demanda do segmento industrial e aproximar o empresário das instituições financeiras para, assim, minimizar os problemas evidenciados na pesquisa”, explica.

 

O Núcleo de Acesso ao Crédito (NAC) foi implantado em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e tem como objetivo orientar os industriais a acessarem o crédito de uma maneira consciente, contribuindo para aumentar suas chances no mercado financeiro por meio de capacitações, rodadas de créditos e consultorias.